ÁLcool, drogas: muitos acidentes em canteiros de obras

Em um documento que apresenta suas ações para prevenir o vício, o grupo Spie Batignolles afirma números preocupantes:

  • 32,7% dos funcionários da o sector da construção tem um consumo significativo de álcool (6 ou mais bebidas na mesma ocasião, pelo menos uma vez por mês).
  • 13% dos trabalhadores do local consomem regularmente cannabis (em comparação com 6,9 % para todos os ativos)
  • 5% dos empregados em canteiros de obras são usuários de cocaína

Visita médica para discutir

Apesar dos esforços pesados ​​de prevenção, o setor Obras Públicas e Construção mantém o mais alto nível de risco de acidentes de trabalho "Estima-se que 15% são devidos ao álcool", observa a Dra. Sophie Martin, que atua em o serviço entre empresas da BTP em Ile-de-France. Toda a dificuldade para este médico do trabalho é identificar pessoas em risco.

O assunto não é fácil de abordar durante uma consulta médica de cerca de quinze minutos. Mas para o Dr. Martin, a questão deve ser sistematicamente perguntada:

Uma tradição de construção

Por muito tempo, o álcool tem sido uma grande preocupação nos canteiros de obras. O hábito foi tomado de beber um tiro com o lanche da manhã. O mito de "aquecer" o álcool ou de ajudar a "ganhar força" durou muitos anos

Sob sigilo médico

Em caso de dúvida, o empregador pode solicitar um teste de rastreio. "Deve estar previsto no regimento interno da empresa. Estamos vinculados ao sigilo médico. Somente o colaborador conhece o resultado do teste. O empregador é informado apenas das conseqüências sobre a aptidão para o trabalho", diz o médico do trabalho

Mais prevenção internamente

Segundo o Dr. Martin, essas projeções têm seus limites. Prefere o diálogo durante a visita médica ou ações de prevenção.

As grandes empresas oferecem regularmente sessões informativas aos seus funcionários. Devido à falta de recursos, essas intervenções são mais raras em estruturas pequenas.