ÉBola: resultados incertos de uma droga experimental

O último surto do vírus Ebola que atingiu a África Ocidental desde 2013 diminuiu, mas a pesquisa sobre um possível tratamento , capaz de curar os doentes, não pare. O vírus causa uma febre hemorrágica muitas vezes fatal se não for tratada, lembra a Organização Mundial da Saúde (OMS). Um medicamento chamado ZMapp tem sido o foco de estudos esperançosos. As primeiras injeções, feitas em macacos, deram bons resultados. Os cientistas, portanto, organizaram um ensaio clínico em pacientes em março de 2015.

O único problema: os testes começaram quando os esforços de prevenção contra o vírus estavam começando a dar frutos. Os pesquisadores planejaram administrar a droga para cerca de 200 pessoas, mas encontraram apenas 72 pacientes. Os voluntários foram separados em dois grupos, o primeiro dos quais recebeu apenas cuidados convencionais, e o outro recebeu três injeções da droga por dia durante uma semana.

Um golpe de sorte?

Os resultados desta amostra mostram que o ZMapp reduz o risco de morte em 40%, de acordo com o New England Journal of Medicine , mas a quantidade de dados não foi suficiente para os pesquisadores. "Isso significa que a diferença entre os dois grupos testados poderia estar ligada a um golpe de sorte. Do ponto de vista científico, esses resultados não são estatisticamente significativos", diz o site Live Science. Mas as autoridades de saúde nos países em questão continuam otimistas.